15 novembro, 2007

||| Cállate!
Interrompo a programação normal para ofender voluntária e deliberadamente os puritanos e restantes amigos que acham que o rei de Espanha não podia mandar calar o mandatario Hugo Chávez. Qualquer um poderia mandar calar o sujeito. Aliás, qualquer um devia mandar calar o indivíduo, até para podermos ouvir Zapatero, que tentava articular uma frase que não chegou a dizer. A ideia de que temos de desculpar o coitadinho do venezuelano que o rei de Espanha mandou calar é tão absurda que até faz rir; Chávez foi autorizado a falar mais do que qualquer outro dos presentes, faz acusações imbecis onde e quando quer, ameaça usar o petróleo para punir quem se lhe atravessa (faz bem, que é seu), sai da cimeira e vai perorar contra a cimeira, e toda a gente acha bem. Quer dizer: os amigos de Chávez passam-lhe, amistosamente, um atestado de insanidade e de inimputabilidade (como se dissessem «deixem lá, é o nosso palhaço de serviço, até o dr. Soares gosta dele»), e depois esperam que seja respeitado. É só o palhaço de serviço. Mas, afinal, o que queria dizer Zapatero?
[FJV]

Etiquetas:

7 Comments:

Blogger Jorge Gomes said...

A lucidez do Francisco no meio de tanto ruído é uma lufada de ar fresco.

11:22 da manhã  
Blogger Albino M. said...

Aliás, tu, Viegas, também devias calar-te...
Ao menos, sobre isto.

12:17 da tarde  
Blogger joao said...

Se se puderem bater palmas, para além de subscrever, eu aplaudo. Nesta história, não é seguramente o rei quem vai nu ( não sei se a grafia da última palavra vai correcta, ainda não percebi o acordo ortográfico)

5:13 da tarde  
Blogger CristinaGS said...

Impressionou-me que o rei o tenha mandado calar na 2ªpessoa do singular. Marcas da relação de um rei e seus súbditos? Achei mal!

7:32 da tarde  
Blogger Sofia Loureiro dos Santos said...

Concordo totalmente.

10:54 da tarde  
Blogger Rui Fernandes said...

Cristina a 2ª pessoa do singular para um "espanhol normal" é universal e não significa nada o seu uso. Os espanhóis nesse sentido são simplesmente seres mais normais que os portugueses ou mesmo que os sul americanos, muito mais formais que seus hermanos ibéricos (está claro que não incluio Hugo Chávez, que não sendo normal tão pouco pode ser um sul americano normal).

Finalmente Juan Carlos ao usar a 2ª pessoa do singular mostra que por ser rei não deixa de ser um espanhol normal. Assim que um viva para a segunda pessoa do singular! E também para a terceira se for com sotaque brasileiro.

12:59 da tarde  
Blogger CristinaGS said...

Boa tarde Rui Fernandes,
e que me desculpe o FJV por ser anfitrião, também, de discordâncias. É o risco de quem abre assim as suas portas.:)

Retomando, todas as línguas têm as suas normas, bem sei, a minha questão está para além da língua. Será que, se se tratasse de um outro chefe de Estado, o Rei ter-se-lhe-ia dirigido da mesma forma?
Eu também não o tenho em grande conta, ao Sr. Chávez, mas eu não sou Rainha nem chefe de Estado.

3:49 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home