06 junho, 2006

||| Humores.
O que leva uma pessoa como Eduardo Prado Coelho a escrever o que hoje escreve no Público é provavelmente um mistério. O mundo, portanto, divide-se em bons e maus; entre aqueles que dizem bem de nós e aqueles que pensam mal de nós; entre os que conhecemos (e portanto existem) e aqueles que não mencionamos (e portanto não existem); entre aqueles a quem emprestamos a aura e aqueles que não queremos conhecer. É simples. Uns são bons, outros são débeis mentais, outros (se nos conhecerem e se nós os incluirmos na lista dos nossos conhecidos) são interessantes, e ainda há a massa anónima que, claramente, não existe porque nunca foi simpática para nós.

3 Comments:

Blogger AMC said...

É perfeitamente inacreditável!
Já nada me espanta no país da impunidade e dos barões dos vários poleiros que gerem as suas quintinhas do alto das suas putativas torres de marfim.

1:05 da manhã  
Blogger NUNO FERREIRA said...

É exactamente assim que funciona este blog. O Freitas do Amaral já foi aqui tratado como um débil mental. Para não falar nos links dia sim dia não aos textos dos amigos. Não percebo tanta indignação por parte de alguém que vê ou parece ver o mundo da mesma forma, mesmo que noutro quadrante político...

5:32 da tarde  
Blogger João said...

Estalou o verniz. Meet EPC as he is!

3:57 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home