22 maio, 2006

||| José Agostinho Baptista.













Um dos meus poetas. Ganhou, hoje, o Prémio de Poesia APE com o livro Esta Voz é Quase o Vento (Assírio & Alvim). É uma das notícias que vale a pena. Nas minhas leituras e na minha vida -- o José Agostinho Baptista é um poeta notável, afastado dos círculos da glória, remetido ao silêncio, dedicado a escrever.

Comovem-me ainda os dias que se levantam
no deserto das nossas vidas.

Dos belos palácios da saudade
não resta a impressão dos dedos nas colunas
fendidas, e nada cresce nos pátios.

Muito além, depois das casas, o último
marinheiro continua sentado.
Os seus cabelos são brancos, pouco a pouco.

2 Comments:

Blogger Sílvia said...

O José Agostinho Baptista é dos nomes mais sérios que compõem a literatura portuguesa. Um Poeta que agiganta a poesia remetendo-a a uma essência de emoções convulsivas, dolorosas, nostálgicas, "de uma beleza que magoa". Um poeta depurado de escolas, um poeta que personifica a própria poesia.Um poeta que no seu silêncio emite uma "voz que é quase o vento".
Um prémio mais do que justo, mais do que merecido, a um grande Poeta!

10:45 da tarde  
Blogger Luís Bonifácio said...

Esta é deveras uma boa noticia.
Para não me repetir subscrevo inteiramente o comentário anterior

10:59 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home